29/11/2008



Professor José Hidasi


Educador ambiental


há mais de 50 anos no Brasil


Clique na foto para ver ampliada na tela

José Hidasi é um educador ambiental nato. Natural da Hungria, veio para o Brasil fugindo da guerra rumo ao país tropical que tanto encantava pelas belezas naturais e principalmente pelas aves. Tem uma contribuição inestimável para o país e principalmente para Goiás com seu trabalho de taxidermia e coleção de espécies do cerrado, dos vários biomas do Brasil e de várias partes do mundo. Um trabalho de educação ambiental a partir da preservação de espécies que a cada dia estão mais ameaçadas no meio ambiente. Com o risco de muitas espécies não serem mais encontradas nos ecossistemas, aumenta a importância da preservação de peças em museus. José Hidasi fundou o Museu de Ornitologia de Goiânia, no bairro de Campinas. Antes participou da criação e ampliação de vários outros museus no Brasil. E até hoje trabalha pelas altas horas da madrugada catalogando, empalhando, dando aulas de taxidermina e fazendo o que sempre fez bem: educação ambiental com aves e animais empalhados e palestras sobre sua vida encantado com as aves.


Em 2007 José Hidasi lançou mais um livro: Aves de Goiás, do organizador Horieste Gomes, é mais uma contribuição do professor húngaro com cidadania brasileira que decidiu viver no coração do Brasil para estar mais perto das aves. "No livro Aves de Goiás, o professor José Hidasi descreve e sistematiza cerca de quinhentas espécies de aves que se distribuem pelos diversos ambientes naturais do Estado de Goiás, principalmente, os habitats do Sistema Biogeográfico do Cerrado Goiano - da mata à vereda". O trecho entre aspas está nas orelhas do livro que está seguindo para a segunda edição. Em 295 páginas o professor e educador ambiental faz a melhor abordagem sobre as aves goianas com fotos coloridas das espécies, com identificação de ordem, família, nome científico, nome vulgar, nome inglês, comprimento e ocorrência no Estado de Goiás. Mais uma grande contribuição para o estudo dessas espécies e que mostra a importância de preservação do Cerrado.


Clique na foto para ver ampliada na tela

Está é uma das páginas do livro. A seriema é retratada à altura da importância de sua espécie para o Cerrado. Na minha opinião a seriema tem um dos cantos mais lindos e deveria ser considerada a Ave Símbolo do Cerrado. Uma sugestão para nossos parlamentares. A ave símbolo de Goiás é a Anhuma ou Inhuma, que inspirou o nome da cidade de Inhumas, em Goiás.

Na quarta-feira, 26 de novembro, fui até a residência de José Hidasi, na Avenida Pará, em Campinas, Goiânia, adquirir o livro com seu autógrafo. Ele estava trabalhando como de costume. Faz isso há anos durante madrugadas. É noturno como um urutau-grande Nyctibius grandis ou um curiango-comum Nyctidromus albicollis ou uma coruja-buraqueira Athene cunicularia. Folheando o livro vou vendo o quanto é importante o trabalho de Hidasi para Goiás e para o mundo. A beleza do açari-castanho, o colorido do tucano, a cor de fogo do dançado-laranja, o bico curvo do arapaçu-de-bico-torto e a loira jandaia verdadeira, da família Psittacidae. Um belo livro resultado de um grande trabalho desenvolvido durante toda uma vida.

Na sala de sua residência José Hidasi não esperava este clique. Foi de surpresa. Mas nada é por acaso neste mundo. Conheci José Hidasi há cerca de 30 anos quando ele percorria Goiânia, Goiás e o Brasil em um ônibus já antigo cheio, cheio de animais empalhados. Mas naquela época a legislação permitia e ele também dava suas aulas de educação ambiental apresentando animais vivos. Araras, periquitos, cobras, macacos. Eu ficava paralisado quando via o ônibus chegando a algum lugar. Normalmente encontrávamos o professor em feiras, eventos, comemorações públicas. Lá estava ele com seu ônibus cheio, cheio de bichos. Fazia fila de crianças e adultos para ver os animais. A entrada era apenas algumas moedas mas a festa era muita, muita para quem admira meio ambiente, natureza, animais, vida. No ônibus José Hidasi também expunha recortes de jornais, fotos de quando ele esteve na Amazônia, em outros países. O crânio de um grande gorila ficava em cima da porta do ônibus entre o espaço do motorista e o dos passageiros. Mas no ônibus os passageiros eram mesmo os animais. Gaiolas e mais gaiolas com bicho vivo. Eu não conseguia acreditar quando via o professor chegando com seu enorme ônibus. Via a exposição em um mês e no outro também. Era só o ônibus do museu itinerante chegar que estava pronto para assistir tudo. E o professor contava as histórias. Muitas, muitas. Até mesmo da sucuri que engoliu...

Uma das várias entrevistas que José Hidasi me concedeu. Depois vou relatar os detalhes.

O trabalho não pára. Há sempre restaurações, adequações. E o trabalho de José Hidasi diferencia-se pela dedicação e profissionalismo. Ele não só empalhou os animais mas deu a forma, o estilo, manteve a posição de cada animal em seu habitat. Detalhes que poderiam passar despercebidos por outros olhos. Assim fica horas moldando suas peças, conferindo esses detalhes.

Clique na revista para ver ampliada na tela
Das várias entrevistas que realizei com Hidasi surgiram algumas publicações. Uma delas é essa reportagem para a revista Fala Prefeito edição de dezembro de 2005. Abaixo outra entrevista para a revista Cerrado - o que você precisa saber para preservá-lo, de 1995 (Veja a edição completa neste blog). Mas a primeira entrevista com o cientista foi há 18 anos.


Clique na revista para ver ampliada na tela

Clique na revista para ver ampliada na tela

Clique na revista para ver ampliada na tela

Houve uma época que não havia artesanato em Goiás com as formas dos animais e aves do Cerrado. Hidasi e sua esposa deram início a esse trabalho. Foi um sucesso. Centenas, milhares. Hoje, nas feiras noturnas, em lojas de artesanatos é possível ver tucanos, araras e muitos outros animais. Esses abaixo são exemplos dos artesanatos produzidos naquela época pela esposa de Hidasi e comercializados por ele.

Um riquíssimo acervo para pesquisa, para que novas gerações saibam o que existe ou já existiu no Cerrado, no mundo. Muitas das peças doadas para museus em Goiás e em outros Estados. E para conseguir reunir tantas espécies José Hidasi fez inúmeras viagens pelo Estado e pelo mundo.

Clique na foto para ver ampliada na tela


Estou apenas começando a contar a história de José Hidasi. Quem acompanhar vai ver muito mais aqui neste blog...

COMENTÁRIO:

Olá Wagner!
Felizmente existem pessoas como vocês que se preocupam com o coletivo e a natureza.
Obrigada por existirem. Sigam em frente! Parabéns!
Um abraço,
Almenara Gobe

29-11-2008
.
.
.
.
.

2 comentários:

  1. Como faço para adquirir este livro aves de Goiás?

    ResponderExcluir
  2. fale com o filho do professor José Hidasi https://www.facebook.com/roberto.hidasi?ref=ts&fref=ts

    ResponderExcluir