19/04/2011

Roberto atualíssimo
com
o meio ambiente
.
Na comemoração dos 70 anos de Roberto Carlos lembro que uma de suas músicas sucesso também passa uma mensagem de meio ambiente atualíssima. Em 1981, (há 30 anos) ele lançou mais um disco com "As Baleias", composição dele e de seu parceiro de composições Erasmo Carlos. A música fala da extinção provocada pelo homem e tem uma letra excepcional para provocar reflexão nos estudantes. Seus netos vão te perguntar em poucos anos / Pelas baleias que cruzavam oceanos / Que eles viram em velhos livros / Ou nos filmes dos arquivos / Dos programas vespertinos de televisão. Uma reflexão que serve para vários povos mas, principalmente, para os japoneses. Todos os anos cerca de 1000 cetáceos são capturados por barcos japoneses com a justificativa de que fazem pesquisa científica. Mas fazer pesquisa cientifica com arpão? Anos e anos o Japão busca os frutos do mar para alimentação e caça as baleias de forma cruel. Agora vê as águas próximas de Fukushima com altos índices de radiação depois que as ondas provocadas pelo tsunami invadiram usina nuclear. Radiação que vai se espalhando inclusive pelos mares enquanto pelo mundo ocorre a redução dos número de cetáceos tão apreciados principalmente pelos japoneses. O equilíbrio na terra e nos mares depende também do equilíbrio do homem. A natureza nos dá de volta o que semeamos dia a dia.

Veja vídeo
'As Baleias - Roberto Carlos"



Composição : Roberto Carlos / Erasmo Carlos

Não é possivel que você suporte a barra
De olhar nos olhos do que morre em suas mãos
E ver no mar se debater o sofrimento
E até sentir-se um vencedor neste momento

Não é possivel que no fundo do seu peito
Seu coração não tenha lágrimas guardadas
Pra derramar sobre o vermelho derramado
No azul das águas que voce deixou manchadas

Seus netos vão te perguntar em poucos anos
Pelas baleias que cruzavam oceanos
Que eles viram em velhos livros
Ou nos filmes dos arquivos
Dos programas vespertinos de televisão

O gosto amargo do silêncio em sua boca
Vai te levar de volta ao mar e à fúria louca
De uma cauda exposta aos ventos
Em seus últimos momentos
Relembrada num troféu em forma de arpão

Como é possível que você tenha coragem
De não deixar nascer a vida que se faz
Em outra vida que sem ter lugar seguro
Te pede a chance de existência no futuro

Mudar seu rumo e procurar seus sentimentos
Vai te fazer um verdadeiro vencedor
Ainda é tempo de ouvir a voz dos ventos
Numa canção que fala muito mais de amor

Seus netos vão te perguntar em poucos anos
Pelas baleias que cruzavam oceanos
Que eles viram em velhos livros
Ou nos filmes dos arquivos
Dos programas vespertinos de televisão

O gosto amargo do silêncio em sua boca
Vai te levar de volta ao mar e à furia louca
De uma cauda exposta aos ventos
Em seus últimos momentos
Relembrada num troféu em forma de arpão

. . .

Nenhum comentário:

Postar um comentário