12/10/2011

Congresso Nacional de Educação Ambiental

"Educação Ambiental
é refém do capital"

O presidente do Congresso Nacional de Educação Ambiental Miguel Bordas fez a abertura do evento na Universidade Federal da Paraíba citando que um dos textos discutidos atualmente diz que educação ambiental é refém do capital. "Queremos sim ser globalizados, mas não desse jeito", "Quero saber se junto com esse mercado de capitais há um desenvolvimento de pessoas, compromisso de desenvolvimento", perguntou.

A abertura do evento ocorreu com auditório lotado da Reitoria da Universidade Federal da Paraíba nesta-quarta-feira, 12 de outubro.

Apresentação artística bem ao estilo nordestino do Harmorial Corda de Caroa durante abertura do II Congresso Nacional de Educação Ambiental e IV Encontro Nordestino de Biogeografia

Na abertura do evento a conferência foi proferida pela professora doutora Michèle Sato - UFMT. Abaixo algumas frases:

"O grande desafio desse século é o agronegócio"

" Aprendi que é bom evocar os conflitos"

"Temos de tentar trazer da dor o momento da aprendizagem"

"Evocar conflitos significa democratizar os espaços para mostrar nossas diferenças"

"Estamos passivos vendo as coisas acontecerem e não se mobiliza, principalmente em questões de meio ambiente. No Mato Grosso se reúne meia dúzia de pessoas na praça"

"Temos de inventar novas linguagens como a da arte. Tentar lutar contra esse sistema que nos consome, faz imposição hegemônica."

O coordenador do evento Giovanni Seabra, da Universidade Federal da Paraíba, informou que o congresso está contando com cerca de 1500 participantes diretos.

O professor Doutor Anderson Portuguez - UFU, ministrou a oficina Educação Ambiental como instrumento de desenvolvimento local com sala lotada do começo ao fim. Ao final, ele concedeu entrevista exclusiva a Educação Ambiental em Goiás - leia em breve.

Fotos: Wagneroliveiragoias.blogspot
.
.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário