02/10/2011

O essencial é

invisível aos olhos...

Valter Machado da Fonseca*

Quando o francês Antoine de Saint-Exupéry escreveu esta frase em “O pequeno príncipe” ele levantou uma das mais importantes reflexões que se arrastaria pelos séculos afora e que iria fazer com que a humanidade indagasse sobre si própria. Esta célebre frase abre uma importante reflexão acerca das diferenças entre a essência e a aparência. Existe uma enorme diferença, um abismo, enfim, uma profunda distância entre “ver” e “enxergar”.

Esta frase que já nasceu com toda sua contemporaneidade, se torna ainda mais atual nos tempos presentes. Nos tempos onde o homem cria desejos e necessidades artificiais e se esquece, definitivamente, dos valores e das necessidades reais. Nesses tempos de hoje, nesta sociedade, o homem anula a realidade e iguala, de forma altamente cruel, a essência à aparência. Isto nos leva a buscar, outra vez, as reflexões contidas na frase de Saint-Exupéry: o que significa “ver” e o que significa “enxergar” o mundo e as coisas do mundo? Para que serve a vida se estamos sendo moldados para jamais buscar a nossa essência no mundo? Para que serve a vida, afinal, se estamos sendo moldados para nos contentarmos com a aparência do mundo e das coisas do mundo, aparência construída por poucos e que está totalmente distante de nossa verdadeira essência? Querem nos fazer crer que a essência de uns poucos tem que servir para muitos. Querem transformar a verdadeira essência do homem em aparência, em coisas, é a coisificação do homem, do mundo, da vida.

Por isso, o simples ato de “ver” está totalmente distante do nobre ato de “enxergar”. “Ver” o mundo e as coisas do mundo é simplesmente se contentar em admirá-lo, é se estagnar na tranquila postura de observar o mundo apenas em sua aparência, se recusando a buscar sua essência. Já o ato de “enxergar” o mundo é procurar por sua significação, é fugir da cômoda postura de simples admirador. É procurar, constantemente, por sua verdadeira função, seu real papel no mundo e, não simplesmente se contentar em admirá-lo. É também procurar a sua própria significação no “outro” que também compartilha contigo este mundo e as coisas do mundo. Qual é a sua relação com o outro neste mundo? Qual é a significação de termos a capacidade de raciocínio, de criação dentro deste mundo? Para que serve esta capacidade superior? Serve apenas para admirar o mundo e as suas coisas? Ou, será que serve para atuarmos neste mundo buscando, incessantemente, transformá-lo? Diante da nossa sublime capacidade de compreensão, de criação, de transformação, o simples dom da observação mecânica, estática, perde totalmente o sentido. Por isso, o pequeno príncipe jamais se abdicava de suas interrogações. Por isso, ele jamais desistia de buscar suas respostas. Ele não se contentava com o simples ato mecânico de “ver” o mundo, ele queria “enxergar” o mundo. Ele jamais se contentava com a mera aparência, ele sempre perseguia a busca da verdadeira essência de estar, de existir neste mundo.

Assim, Saint-Exupéry, num texto que muitos afirmam ter sido feito para a infância, nos mostra de maneira altamente adulta que a aparência não passa do simples indício da existência de uma real essência. Que o dom de “ver” o mundo nos indica que é necessário evoluirmos para a sublime condição de “enxergar” o mundo, buscando, incansavelmente sua transformação. Aí, nos indica que devemos abominar as afirmações como “se nascemos assim é porque assim deve ser”, ou “as coisas sempre foram assim”. São posturas como essas que transmitem a alguns poucos a sensação de que podem moldar a grande maioria, de que podem criar desejos, necessidades segundo sua própria vontade. São posturas como essas que fazem com que poucos se sintam no direito de criar aparências segundo sua medíocre essência [agora sem aspas]. Por fim, meu caro (a) leitor (a), o que mais existe neste mundo são pessoas que possuem os olhos perfeitos, uma visão incrivelmente perfeita, porém, não são capazes de enxergar absolutamente nada.

* Escritor. Geógrafo pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU/MG). Mestre e doutorando em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia (FACED/UFU). Pesquisador das temáticas “Alterações climáticas” e “Impactos das monoculturas sobre os biomas brasileiros”. Docente da Universidade de Uberaba (UNIUBE). machado04fonseca@gmail.com


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário