23/05/2012

ESPECIAL: HOMEM PRÉ-HISTÓRICO DE GOIÁS II

Pinturas rupestres no Cerrado:
"entre as mais exuberantes do mundo"

As pinturas rupestres ou nas cavernas do Cerrado destacam-se entre as mais exuberantes do mundo e nem todas são conhecidas e estão devidamente georreferenciadas - com coordenadas conhecidas em um dado sistema de referência. Serranópolis, município a 370 quilômetros de Goiânia, sudoeste do Estado de Goiás destaca-se em quantidade de vestígios da presença humana na pré-história. Em sítios arqueológicos foram encontrados indícios de que a região foi ocupada por mais de 550 gerações de homens antes do presente. E, em 1996, foi encontrado um esqueleto datado em 11 mil anos. Ao todo foram descobertos 1435 sítios arqueológicos em Goiás, de acordo com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Desses, apenas 382 estão georreferenciados. São locais que foram utilizados por grupos ceramistas agricultores ou serviram de abrigos sob-rocha onde são encontradas pinturas rupestres ou gravuras

Caverna de Terra Ronca no nordeste do Estado de Goiás é um exemplo de local que pode ter sido utilizado como abrigo no passado. O clima não era o mesmo durante glaciações ou eras do gelo e abrigos mais quentes podem ter sido muito importantes para a sobrevivência da espécie humana
Torreão de rocha de quartizito que se eleva acima da vegetação de cerrado preservado em Serranópolis, sudoeste do Estado de Goiás. Nesse local viveram homens e mulheres desde 11 mil anos antes do presente
Imagem (reprodução internet) mostra como podem ter sido feitas pinturas rupestres dentro de cavernas. Em Goiás, as pinturas rupestres encontradas são normalmente de cor vermelha obtida a partir de minerais de ferro. As cores amarelo, branco e preto não foram muito utilizadas
Local onde homens das cavernas podem ter observado o horizonte do hoje Serranópolis, imaginado como caçar na região e até quebrado cocos nos orifícios na pedra. Lá em baixo e à esquerda a sede da RPPN de onde sai a trilha por dentro do cerrado que leva às pinturas rupestres. Pela trilha se observa muitas espécies vegetais medicinais e frutíferas. Há placas também que mostram que no local habitam felinos
"Em Goiás, estão definidos três estilos de pinturas rupestres, que são o estilo Caiapônia (possivelmente tradição Planalto), o estilo Serranópolis (possivelmente tradição São Francisco) e o conjunto estilístico de Formosa (tradição Geométrica)": (Schmitz, Pedro Ignácio, e al. Arte Rupestre no Centro do Brasil - Pinturas e Gravuras da Pré-História de Goiás e Oeste da Bahia)
Serranópolis está a 270 quilômetros de Goiânia no Sudoeste do Estado de Goiás
"No município de Serranópolis estão concentradados, num espaço de 25 km, aproximadamente 40 abrigos, dos quais ao menos oito apresentam ocupações humanas antigas, cujas datas vão de 11.000 a 8.400 anos". "Embora existam abrigos pequenos com 100 m2 úteis, a maior parte é grande, podendo chegar até 1500 m2" (Schmitz, Pedro Ignácio, e al. Arte Rupestre no Centro do Brasil - Pinturas e Gravuras da Pré-História de Goiás e Oeste da Bahia)
Representação do homem que ocupou cavernas e construiu ferramentas com pedras. Há teorias que dizem que o homem pintava porque sentia fome e desejo do alimento. Outras mais recentes defendem que pintavam por "predeterminação sexual". Muito há ainda a ser descoberto.
Corriola bem perto de um dos paredões com pinturas rupestres: fruto delicioso dificilmente encontrado no cerrado hoje depois da grande ocupação da região para plantio de culturas principalmente para exportação como a soja
Um gavião captura um macaco e ao lado uma seriema ou ema? Ninguém sabe ao certo e fica para o visitante a oportunidade de interpretação. E essa é a melhor parte do passeio pelas trilhas que levam aos abrigos do homem pré-histórico que deixou pinturas nas cavernas de Goiás
A evolução do homem?
Círculos poderiam ser calendários?
Representação de uma família dentro de uma caverna ao lado do fogo
Poderia ser calendário também? Ou número de animais abatidos?
Mangaba bem próxima de um dos abrigos dos homens das cavernas em Serranópolis. No passado e há milhares de anos esses frutos já existiam no cerrado e podem ter sido alimentos dos homens coletores
Painel com pinturas possivelmente feitas por várias gerações que ocuparam o local. Algumas se sobrepõem a outras. Muitas já se perderam com a ação do tempo, vento, chuva e até vandalismo recente
Ao lado dos abrigos, utilizando o fogo e confeccionando armas para caçar
Apenas desenhos? Ou representavam algo mais?


Pinturas podem ser classificadas em três grandes grupos: zoomórfico (representa animais), antropomórfico (figuras humanas) e símbolos (desenhos que levam a imaginar serem calendários astronômicos
Arqueólogo Dr. André Isnardis da Universidade Federal de Minas Gerais esteve em Goiânia realizando palestra sobre Estudos Contemporâneos de Arte Rupestre no Brasil quando concedeu entrevista a Educação Ambiental em Goiás: "O cerrado tem quantidade e variedade de pinturas rupestres que estão entre as mais exuberantes do mundo". "A arqueologia de Serranópolis sempre teve um papel central nas discussões arqueológicas para o Brasil Central e pode ter também para pinturas rupestres". Veja entrevista completa no final desta publicação
Seria a representação de uma espécie de tecido, de couro? Parecem ser as patas do animal ao lado
Possíveis rotas migratórias que levaram o homem para as américas e Groelândia. Mas até mesmo a rota pelo Estreito de Bering é questionada depois que pinturas rupestres foram descobertas nas américas e podem ter muito mais do que 12 mil anos como exemplo de pinturas rupestres da Serra da Capivara, no Piauí
Seria um macaco dependurado pelo rabo? Observa-se normalmente que desenhos de animais (grupo zoormófico) eram feitos com mais detalhes do que figuras humanas (antropomórfico). Por quê?
O pequi já existia há milhões de anos no cerrado, talvez mais de 65 milhões de anos como mostram fósseis descobertos em Catalão, que foi habitado por centenas de gerações que nos antecederam. A foto mostra frutos bem perto dos paredões com pinturas rupestres em Serranópolis. A espécie poderia estar na região naquela época e pode ter servido de alimentação para o homem pré-histórico
Seria um macaco do lado esquerdo e uma ema do lado direito?
Em Serranópolis foram encontrados também desenhos geométricos nas rochas. O que significam?
Parte das pinturas rupestres de Serranópolis estão hoje dentro de uma RPPN - Reserva Particular do Patrimônio Natural. Ainda bem porque se não estivessem certamente nem a vegetação, nem a fauna e nem as pinturas rupestres estariam ainda no local. Mas a maior parte dos sítios arqueológicos de Serranópolis não tiveram importantes pesquisas e estão relativamente preservados porque não estão abertos a visitação
Passarela foi construída para visitantes. Nos paredões é que são encontradas as pinturas rupestres. A Gruta das Araras tem cerca de 80 metros de extensão e mais de 60 metros de altura. Já a Gruta do Paredão é um abrigo de 8 metros de altura por 10 metros de largura
Há teoria que diz que o homem não deve ter vivido o tempo todo dentro das cavernas. Pode ter vivido próximo de locais com água, em pequenas e frágeis habitações. Se foi assim, em períodos de frio ou para se proteger de grandes predadores que existiam no passado pode ter procurado abrigar-se em cavernas pelo menos por um tempo. E para adentrá-las foi muito importante o domínio do fogo. Com luz e paredes de rochas os artistas da pré-história foram deixando suas marcas
Pequenos répteis também podem ter sido representados nas rochas e eles são comuns no local até hoje

"A área do município de Serranópolis despertou a atenção de estudiosos em decorrência da variedade de pinturas e gravuras rupestres que cobrem os paredões de arenito e ainda por apresentar uma ocupação humana antiga, que data de aproximadamente 11.000 anos A.P. até o início do século XX. É uma das áreas arqueológicas mais ricas e importantes do Brasil para o estudo da chegada do homem e das populações caçadoras do período Holoceno. Como altitudes entre 500 e 950 metros, a área possui abrigos rochosos, localizados no arenito Botucatu, que apresentam espessas camadas arqueológicas e paredes decoradas com pinturas e gravuras" (SCHMITZ et al., 2004). (Republicado em tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis)
Vista de um mirante em grande rocha de quartizito na Pousada das Araras em Serranópolis. Esse pode ter sido o visual que o homem pré-histórico que habitou o local teve há milhares de anos. Imagine a dificuldade em sair por essas matas caçando animais para sobreviver. Imaginar então pode ter levado o homem a pintar as cavernas. Como abateria um veado? Quantos foram abatidos? Onde deveriam caçar?
A maior parte das pinturas em Serranópolis foram feitas com pigmentos vermelhos obtidos com minerais de ferro
A passarela com corrimão possibilita que visitantes visualizem as pinturas mas em uma certa distância. Isso pode evitar por exemplo desgaste maior das pinturas do que os já proporcionado ao longo dos anos
Podem ser a representação de pequenos sáurios?
Esses animais existiam e existem até hoje?

"A região de Serranópolis insere-se no contexto das paisagens dominadas por formas de relevo convexos e tabulares, com diferentes ordens de grandezas e de aprofundamentos de drenagens, pertencentes ao domínio do Planalto Setentrional da Bacia Sedimentar do Paraná. Geologicamente, a região apresenta arenitos das formações Botucatu e Bauru e basaltos da formação Serra Geral" (SCHMITZ et al., 2004). (Republicado em tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis)
O fogo foi um grande aliado dentro das cavernas possibilitando luz e calor. E para os artistas da pré-história a luz e o carvão foram muito úteis
Dois pés e cada um com cinco dedos. De criança ou de animais? Cada visitante faz sua interpretação

"A área de estudo insere-se no contexto do Arenito Botucatu do Período Triássico da Era Mesozóica. Inicialmente, foi definido no Estado de São Paulo, nas proximidades da cidade de Bauru. No Estado de Goiás sua parte aflorante está restrita à porção sudoeste, ao longo de uma faixa de direção NW, que vai de Serranópolis até Santa Rita do Araguaia, ocorrendo também em uma pequena área a norte de Jataí. A formação Botucatu apresenta essa idade com base em sua posição estratigráfica que eventualmente se intercala aos derrames basálticos do Cretáceo (aproximadamente duzentos milhões de anos), conforme datações efetuadas por Thomas Filho (1976)." (Publicado em tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis)
Várias pinturas rupestres sofreram a ação do tempo, vento ou chuva. No momento observei que água da chuva escorria pela rocha
Mas um fato lamentado por muitos também ocorreu com pinturas rupestres na Pousada das Araras. O carpinteiro Primo Perin foi contratado pela Fundação Pró-Natureza (Funatura) para construir uma passarela de madeira para visitantes. Mas ele, depois de limpar uma pichação, aproveitou para retocar e reavivar traços de algumas pinturas acreditando que não fazia nada demais
A água da chuva apagou muitas pinturas rupestres. Mas no fundo uma resiste
Uma parte de uma pintura rupestre resiste ao desgaste provocado pela água da chuva que desce pela rocha
Dentro das cavernas normalmente é mais quente. Percebe-se no suor. Nesta dentro do Parque Estadual de Terra Ronca estava muito quente. E isso poderia ser um atrativo para o homem na pré-história principalmente durante dias muito frios 

Foto Publicada na tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis
Em um mesmo painel, desenho de possível réptil, marcações com traços, outros animais e outras pinturas que foram sobrepostas ou se perderam ao longo dos anos
As mais variadas espécies vegetais no cerrado, bem pertinho das pinturas rupestres 


Foto publicada na tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis: mostra a ação de cupins
Entre os pigmentos utilizados pelo homem que pintou cavernas em várias partes do mundo podem estar também sangue, gorduras de vegetais e de animais, saliva e carvão. Já nas fotos de Serranópolis predominam o vermelho

Foto publicada na tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis. Mostra cicatriz de desplacamento com pintura rupestre feita sobre a cicatriz de desplacamento 
Com os avanços da ciência, novos equipamentos para datação, conhecimentos de especialistas de várias áreas para investigação, espera-se conhecer mais sobre o passado do homem que viveu quando essas pinturas foram realizadas
"Gaspar (2003), sugere que os primeiros ocupantes do Brasil Central eram caçadores e coletores e que a sua indústria lítica caracterizava-se pela presença de raspadores utilizados no trabalho e algumas pontas de projétil. Os restos botânicos indicam a exploração de coquinhos. Guariroba (Syagrus oleraceae), licuri (Syagrus coronata), chichá (Sterculia striata), pequi (Caryocar brasiliensis), Jatobá (Hymenae courbaril) e outros frutos do cerrado. A caça tinha como presa animais de pequeno e médio porte (roedores, tatus, primatas, preguiças, lebres), répteis, aves e peixes. Animais maiores como veados, porcos-do-mato, antas são raros nos momentos iniciais da ocupação." (Republicado em tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis)

A representação da chuva? Ou um olho?

"Para Prous (1992), por volta de 8.000 anos Antes do Presente (A.P.) caçadores já marcavam as paredes com seus grafismos. Muitos sítios foram ocupados em diferentes épocas, por distintos grupos culturais e é difícil estabelecer qual deles é o responsável pelos grafismos ou pelos diferentes conjuntos de grafismos que decoram as paredes. Abrigos localizados em pontos estratégicos não são muito freqüentes na paisagem e podem ter sido ocupados por diferentes etnias e ter tido funções distintas como moradia, acampamento para caça, armazenamento de víveres ou cemitério; o que torna a vinculação de vestígios de solo com os grafismos uma tarefa bastante difícil." (Publicado em tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis)
Quem vê um tamanduá? Ou mesmo uma onça?
Belo cerrado preservado no planalto central do Brasil que no passado foi habitado pelos homens das cavernas
Seria um veado?

Em outro paredão uma pintura mostrava características muito comuns de um felino e um visitante aproveitou para "pichar" ao lado a palavra ONÇA - interferência que não se espera de turistas conscientes da importância desses registros da pré-história
Uma tartaruga?

"As manifestações pintadas em Serranópolis não se enquadram em nenhuma das tradições de pintura definidas. Já os estilos são definidos como Serranópolis e Caiapônia. As artes rupestres de Serranópolis e Caiapônia apresentam significativa diferença. Possuem alguns poucos elementos comuns, mas as imagens de Serranópolis se sobressaem em relação às de Caiapônia. As diferenças regionais permitiram estabelecer e definir o estilo Serranópolis de pintura e gravura. O aspecto sócio-cultural e ambiental remete ao conjunto de referências, aos modos de visão material e socialmente construídos pelo grupo ao longo do tempo, origens que remontam normalmente a um tempo mítico. Há que se considerar que as imagens pintadas ou gravadas nas rochas figuram não só a expressão individual de quem as executou, mas também da sociedade à qual pertencia (LIMA, 2002)." (Republicado em tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis)
Há várias representações de possíveis araras em Serranópolis. E elas são vistas voando e pousando entre as rochas de quartizito até hoje

"Segundo Lima (2002), as ocorrências registradas nos abrigos de Serranópolis chegam a 1.159 pinturas. As gravuras somam 4.009 ocorrências em 43 abrigos e estão localizadas preferencialmente nas paredes mais irregulares e ao alcance da mão. Quanto ao estado de conservação, as pinturas ao abrigo da luz estão conservadas. As que recebem luz direta estão bastante desgastadas em função do desmatamento próximo dos paredões.

Na pintura, as cores que predominam são matizes de vermelho, seguido do amarelo e raras figuras em branco e preto. A predominância na pintura é monocrômica vermelha. Os pigmentos encontrados têm origem mineral (preferencialmente óxido de ferro), aplicados nas pinturas em estado pastoso. Nas gravuras há registro de algumas que estão sobrepostas à superfícies pintadas, preferencialmente de vermelho. (LIMA, 2002)
(Publicado em tese de mestrado de Harley Anderson de Souza - O desgaste da pintura rupestre e dos abrigos sob rocha na RPPN Pousada das Araras em Serranópolis)
Rochas enormes podem ter sido separadas no passado por terremotos ou abalos sísmicos. Hoje é possível passar entre as duas partes
Quem vê a figura de homens no painel?
Acredita-se que no passado a rocha era uma só porque se fossem juntadas as duas partes poderiam se encaixar
Seria a representação de um jaburu? Os jaburus existem até hoje e voam pela região banhada pelo Rio Araguaia, não muito longe do local
Com a separação em duas partes a grande rocha foi preenchida acima com outra parte que não conseguiu descer e ficou como uma cunha que lembra um navio
Circulos em vermelho. Mas interferências em preto de possível carvão. Qual a datação do vermelho e qual a datação do preto? As pinturas rupestres de Serranópolis merecem mais e melhores estudos, principalmente de universidades de Goiás
Pintura rupestre dentro do Parque de Terra Ronca, nordeste do Estado de Goiás. Seriam números de animais abatidos?
Entrada da caverna Terra Ronca. No local não se observa pinturas rupestres mas destaca-se o tamanho da "boca", imensos salões, perfeitos abrigos para o homem na pré-história
Nem os cientistas se arriscam a fazer uma interpretação sem margem de erro. Mas vamos tentar imaginar sem temor de errar. Não custa nada. Na pintura (em Serranópolis) acima e à direita uma espécie de tartaruga. Do lado esquerdo marcações com traços que poderiam ser números de animais abatidos. Ao lado talvez um homem com ferramentas nas mãos ou mesmo lanças. No meio, pés de animais. Abaixo outros homens com lanças nas mãos. E no centro do desenho um veado com uma lança já penetrada nas costas e sangrando. Nem mesmo consegui imaginar essa cena quando estive no local. Nem mesmo depois de ver a foto por várias vezes. Mas agora ao criar a legenda pude imaginá-la dessa forma. É claro que não conhecemos os códigos ou significados desses símbolos daqueles homens e mulheres. Nem mesmo sabemos se o painel foi pintado de uma só vez ou por várias gerações que foram acrescentando mais desenhos. De qualquer forma com uma interpretação, mesmo com grande margem de erro, fica mais interessante observar as pinturas rupestres de Goiás
Gravuras rupestres às margens do Rio Araguaia em local conhecido como Loca. O acesso é a partir do município de Baliza, em Goiás. Mas já está dentro do Estado do Mato Grosso
Loca pode ter sido utilizada como abrigo pelo homem que viveu no passado e pescava no Rio Araguaia. Até hoje o local serve de abrigo para pescadores que continuam fazendo suas fogueiras. Mas nas rochas é possível ver também inscrições recentes desses visitantes que poderiam ser consideradas como pichações ou mesmo pinturas rupestres do 'homem moderno'?
Essa gravura lembra um tridente. Poderia ser utilizado para pescar no Rio Araguaia? No local há grandes peixes como pirarara e filhote
Pintura rupestre mostra arara na Pousada das Araras em Serranópolis

Há 11 mil anos viveu
o homem da Serra do Cafezal
Escavação em 1996 na Gruta do Diogo, em Serranópolis, Sítio GO-JA-01. O trabalho foi desenvolvido pela PUC-GO com equipe do arqueólogo Altair Sales
Durante escavação na Gruta do Diogo, em Serranópolis - Goiás, foi encontrado esqueleto datado em 11 mil anos e que ficou conhecido como Homem da Serra do Cafezal - um dos esqueletos humanos mais antigos já encontrado na América do Sul
Mais um dos abrigos que foram utilizados por várias gerações que viveram no cerrado ao longo de milhares de anos
Detalhe de pintura rupestre captado por danielaortega em Serranópolis
Mundo: Caverna das Mãos na Patagônia, Argentina, descoberta em 1941. Centenas de mãos pintadas há cerca de 9 mil anos por índios. A caverna também apresenta imagens de seres humanos, felinos, emas, o sol e desenhos geométricos pintados nas cores vermelho, amarelo, ocre, verde, preto e branco

Curvas suaves e detalhes finos em pinturas rupestres na França que podem ser as mais antigas do mundo: Datação geomorfológica e Cloro 36 de superfícies de rochas mostram recentemente que pinturas rupestres em caverna francesa são as mais antigas do mundo já encontradas e podem ter entre 28 e 40 mil anos. Datação por radiocarbono de amostras de arte na pedra, carvão vegetal e ossos de animais encontrados na caverna Chauvet já haviam mostrados que desenhos teriam entre 30 mil e 32 mil anos



Leia também:

Homem Pré-Histórico de Goiás Parte I - Traço rupestre de Serranópolis