15/01/2013

Alterações climáticas 
e crise energética
Prof. Dr. Valter Machado da Fonseca *
Novamente vem à tona a discussão sobre racionamento de energia, em decorrência da má distribuição das precipitações pluviométricas nesta transição dos anos 2012/2013. Como sempre, procura-se uma explicação meramente técnica para o mesmo problema recorrente com cada vez mais frequência. Em um artigo que escrevi já faz algum tempo,  abordei a crise de energia juntamente com a crise da super-geração de resíduos sólidos, frutos do aumento exponencial da superprodução industrial visando à aceleração do ritmo, da velocidade e da quantidade de mercadorias buscando o atendimento dos mercados consumidores, cada vez mais vorazes.
Ora, para se realizar com critérios e honestidade este importante debate, faz-se preponderante levantar os principais aspectos e elementos que permeiam a discussão desta temática. A superprodução de mercadorias necessárias ao atendimento dos mercados inter/multi/transnacionais exige cada vez mais recursos naturais. Por sua vez, a transformação destes recursos da natureza (matérias-primas) em mercadorias demanda, no mesmo ritmo e mesma frequência,  maiores quantidades de energia, sem a qual é impossível a realização de quaisquer atividades humanas. Por outro lado, a superexploração dos recursos da natureza promove um violento impacto socioambiental sobre o planeta, causando desequilíbrios em importantes setores e elementos vitais para o equilíbrio do ecossistema planetário, bem como para a própria manutenção do bem estar do conjunto de seres vivos que mantêm a cadeia trófica do planeta Terra.
Pois bem! Dentre os diversos fatores e elementos atingidos encontra-se um recurso fundamental, vital, para o equilíbrio dos ecossistemas, da cadeia trófica e para a própria continuidade da vida no planeta: a água. A ação desordenada e descontrolada do homem sobre os recursos hídricos tem promovido uma séria de impactos de grande magnitude sobre este recurso fundamental para a manutenção de todas as formas de vida existentes no grande ecossistema terrestre. Embora, o volume total de água se mantenha constante devido ao “Ciclo Hidrológico”, a quantidade de água potável (própria para o consumo dos homens, animais e vegetais) tem diminuído significativamente.
E o que tem a água a ver com a crise energética? Ora, o Brasil depende majoritariamente da energia hidrelétrica para a maior parte de suas atividades econômicas e industriais. Acontece que este tipo de energia é produzido a partir do potencial hidráulico dos nossos corpos d’água de superfície, ou seja, nossos principais rios, os quais dependem exclusivamente do regime de chuvas para manterem seu potencial hidrológico. Então, quaisquer anomalias climáticas de maiores envergaduras irão influenciar para baixo ou para cima o potencial hidrológico de nossos corpos d’água, isto é, pouca chuva irá significar pouca água nos reservatórios; pouca água nos reservatórios significa baixa capacidade de produção de energia elétrica nas turbinas das usinas, portanto, os baixos índices de precipitações pluviométricos irão determinar os picos de crises na produção das hidrelétricas.
Na verdade, a ação humana desordenada sobre os recursos da natureza têm acelerado as crises constantes de produção de energia, uma vez que a remoção da vegetação influencia, diretamente, no regime de chuvas, em decorrência da diminuição da evapotranspiração que auxilia no aumento da umidade do ar e, dessa forma na formação de nuvens. Ao remover as diversas formações vegetais em função da urbanização desordenada e/ou da expansão da fronteira agrícola, especialmente em função do cultivo de monoculturas de exportação, o homem influencia de forma negativa para o desequilíbrio dos índices de precipitações pluviométricas. Com a retirada das grandes formações vegetais, das matas ciliares, das vegetações que protegem as nascentes dos corpos d’água, o homem contribui de forma definitiva para o aumento exponencial das anomalias climáticas. Assim, embora seja natural, em diversas ocasiões, a diminuição das chuvas, o ser humano pode ser decisivo para aumentar o ritmo, a frequência e a diminuição drástica do volume de precipitações pluviométricas. Caso o homem mantenha este ritmo frenético de impactos violentos sobre os recursos naturais, muito em breve ele poderá secar, de forma irreversível, nossos principais corpos d’água superficiais, ocasionando um desequilíbrio letal em toda a cadeia trófica do grande ecossistema planetário.       


* Escritor. Geógrafo, Mestre e Doutor pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Pós-Doutorando pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).  Pesquisador e professor da Universidade de Uberaba (UNIUBE). machado04fonseca@gmail.com





Nenhum comentário:

Postar um comentário