05/06/2009


Educação

Ambiental

em Pires do Rio

A convite do Museu Ferroviário de Pires do Rio foi realizada na cidade palestra da Semarh de educação ambiental e meio ambiente. Confira abaixo também fotos de exposição de alunos em comemoração a semana do meio ambiente e o trabalho da Associação Piresina Amigos da Natureza - APAN

Profissionais liberais, integrantes da Associação APAN e da Universidade Estadual de Goiás - UEG, estudantes e a representante da Prefeitura de Pires do Rio Rosana Guena assistiram a palestra que durou cerca de duas horas.

Ercy Rocha Saud, diretora do Museu Ferroviário de Pires do Rio: "Foi excelente a palestra. Quem não veio perdeu. Amei. Ficaria a noite toda ouvindo. Vou mandar ofício agradecendo"

Coral infantil de Pires do Rio fez a abertura da palestra no Museu Ferroviário. E cantaram bonito três músicas com temática ambiental.


Galpão antes utilizado como oficina é hoje Museu Ferroviário de Pires do Rio

Funcionários do Museu, a diretora Ercy Rocha e Wagner Oliveira

A educadora ambiental da Semarh Yuara Crescêncio

A diretora do Museu recebeu kits com material didático da Semarh sobre educação ambiental


Locomotivas utilizadas nas primeiras décadas do século passado

O impacto ambiental das ferrovias é menor se for comparado ao das rodovias. O Brasil optou principalmente pelas rodovias com milhões de caminhões atualmente. No total mais de 16 milhões de automóveis só no Brasil contribuindo na poluição do meio ambiente. O trem esteve no século passado marcanto a história do Brasil e de Pires do Rio e quase parou. Demorou para voltar aos trilhos do Brasil de forma mais intensa mas vem aí com a Norte-Sul.

Muita história nos trilhos preservada no Museu Ferroviário de Pires do Rio


Exposição de alunos de Pires do Rio no Museu Ferroviário



Sacolinhas de supermercado fazem a moldura: Até quando?

A funcionária do museu Cláudia de Paula aprensenta equipamento que uma empresa utiliza em caso de acidentes que possam vazar óleo.

Se o óleo estiver na água é utilizada uma manta de alta absorção. Todo o óleo é retirado da água.


A tarrafa na exposição mostra que esta é uma forma de pesca predatória que não deve ser praticada

O desmatamento. A notícia, a árvore cortada e o carvão. Isso diz tudo.


Alternativas: agregar valor, criar artesanatos úteis.





Na exposição os jiquis. São utilizados na pesca predatória. O peixe entra mas não saí. Em Goiás a pesca somente é permitida com vara e com licença.

O raro ipê-branco. Yura Crescêncio ficou encantada com o quadro.

O pneu não se decompõe. Então vai ficar como herança mesmo. E que herança heim.

O detalhe: na segunda parte das frases as letras desbotadas. Um meio artístico de dizer vai faltar cor, vai faltar água.


Quanto volume de lixo para apenas alguns produtos. Era do Gelo não deixou lixo. Era do plástico vai deixar muito, muito lixo.

Muito útil, o pc também vira lixo. Se não for reciclado os computadores tem peças que possuem mercurio, cadmo e chumbo. Quanto material tóxico que pode ir para o meio ambiente.


O trabalho da APAN - Associação Piresina Amigos da Natureza

Repovoamento de peixes do rio Corumbá

Coleta de pilhas para reciclagem

Camisetas da APAN

Plantio de mudas em nascente. As crianças podem mudar a história.



Praça de Pires do Rio onde é realizada a feirinha.
.
.
.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário